Jundiaí passa 353 cidades e atinge 13º lugar em geração de empregos

Publicada em 15/12/2016 às 14:24

O saldo da geração de empregos formais em Jundiaí vem fechando “no azul” há quatro meses, de acordo com dados compilados pelo economista da secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, José Roberto Pellizzer, junto ao sistema do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

A boa escalada estatística, no período entre julho de 2016 a outubro de 2016 (dados mais recentes divulgados), já impulsiona Jundiaí ao 13º posto em todo Estado na retomada de postos de trabalho formais, ou seja, sob o regime CLT.

Para se ter uma ideia do salto, em junho de 2016, o município ocupava a 366ª posição nessa categoria. Na última parcial divulgada por Brasília, Jundiaí já havia deixado 353 outros municípios paulistas para trás, na contramão do momento econômico brasileiro, que amarga o 19ª mês consecutivo com saldos negativos na criação de empregos com registro em carteira.

Em outubro, fecharam com saldo positivo (contratações x demissões) os setores de extrativismo mineral, indústria de transformação, indústria de utilidade pública, comércio, serviços e agropecuária. Enquanto Jundiaí encerrava o mês com uma variação percentual positiva em 0,12%, o Estado de São Paulo ficava com 0,18% negativo e o Brasil com 0,19% negativo.

Expansão dos “atacarejos” – Apenas uma rede atacadista que iniciou as atividades recentemente na cidade contratou mais de 200 pessoas por meio da infraestrutura do Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Jundiaí.

É o caso da jovem Yasmine Viana, de 24 anos, moradora da Vila Cristo. ‘Mine’, com prefere ser chamada, conta que ficou oito meses à procura de uma recolocação. “Um dia, era início da semana, passei no PAT para verificar as vagas. Eles estavam selecionando pessoal e eu fiz a inscrição na hora. O atendimento foi ágil e eu fui bem atendida. Em menos de uma semana, fui chamada para voltar ao Posto para fazer a entrevista de emprego”, lembra.

Contratada desde 19 de outubro, ‘Mine’ tem registro em carteira, já passou por treinamento em Campinas e chama os amigos de trabalho de segunda família. “Estou gostando muito. Em casa, moramos eu, minha mãe e meu irmão. Esse novo trabalho está ajudando muito para complementar o orçamento”, conta.

“Os atacadões são uma tendência de mercado que cresceu quase 15% ao ano, superando, por exemplo, os chamados hipermercados. Jundiaí mostra a sua superioridade e liderança econômica regional em receber dois grandes investimentos com essas características em menos de um ano. Isso mostra que a cidade está pronta para absorver esse tipo de demanda, porque tem boa malha viária, excelente infraestrutura e é o polo comercial da sua macrorregião,”, aponta o secretário Marcelo Cereser.

Protagonismo do PAT – Outro bom motivo que pode explicar o atual fortalecimento de Jundiaí no cenário de geração de empregos: a boa dobradinha construída entre as empresas contratantes e o PAT de Jundiaí. Em 2016, foram 188 empresas que fizeram uso do espaço do PAT para seleção e entrevistas de emprego, além de fazer uso do cadastro de mão de obra do órgão, que já soma aproximadamente 20 mil pessoas.

Ainda em 2016, foram 3.983 vagas abertas via PAT, com pouco mais de 9 mil encaminhamentos para entrevistas de seleção. Os números são três vezes maiores do que os verificados em 2012, por exemplo. No total, quase 30 mil atendimentos foram registrados de janeiro a novembro de 2016.

“O sucesso do PAT é resultado da seriedade de toda equipe e da interação e apoio da secretaria, que fortaleceu o trabalho do Posto com a sede própria, mais infraestrutura, acessibilidade, espaço condizente para uso das empresas. Tudo isso nos permitiu dar um salto na qualidade do serviço oferecido ao cidadão”, definiu a coordenadora do PAT, Maria Aparecida Gibrail.

“Em detrimento às dificuldades macroeconômica dos últimos anos, as ações da secretaria e das diretorias envolvidas – juntamente com mudança, ampliação e melhoria dos serviços do PAT – foi premiada com resultados positivos através da atração de novas empresas (indústria, comércio e serviços) e a geração de mais empregos”, contou o diretor de fomento à indústria da secretaria, Gilson Pichioli.

Atuação da secretaria – Novas legislações municipais, como Desenvolve Jundiaí e Emprega Mais, foram responsáveis em impulsionar a visibilidade de Jundiaí no cenário de captação de recursos privados. Desde 2013, mais de 60 grandes investimentos já foram confirmados para a cidade. Eles totalizam R$ 2,5 bilhões em aporte e expectativa de criação de 3,5 mil empregos diretos.

Aproximadamente 50 dessas grandes empresas enquadraram-se nas especificações do Desenvolve e puderam contar com uma força-tarefa inédita entre diversas secretarias, que, em alguns casos, emitiu alvará de funcionamento em 42 dias. O Emprega Mais Jundiaí deverá conceder incentivos fiscais a três indústrias que se instalaram ou ampliaram planta na cidade, valendo-se da mão de obra local.

Outros 17 empreendimentos empresariais estão na fase de prospecção da cidade. “A importante e fundamental localização no contexto regional de Jundiaí, aliada a uma excelente infraestrutura logística e grande diversificação empresarial, trará para 2017 a esperada reativação do transporte ferroviário de cargas, que ligará novamente a cidade ao Porto de Santos, e, com isso, a manutenção das empresas já existentes bem como a real possibilidade da vinda de novas”, finaliza Pichioli.

“Assim como esse terminal multimodal, temos o Parque Tecnológico encaminhado, dois dos grandes projetos estratégicos levados a cabo por essa gestão da secretaria”, finaliza Cereser.

Thiago Secco



Link original: https://saladeimprensa.jundiai.sp.gov.br/2016/12/15/jundiai-passa-353-cidades-e-atinge-13o-lugar-em-geracao-de-empregos/
Leia mais sobre , ,

Galeria de imagens desta notícia

Clique na imagem para fazer o download do arquivo na resolução original



Sala de Imprensa | Desenvolvido por CIJUN
www.jundiai.sp.gov.br