Hospital Universitário promove Semana de Aleitamento Materno

Publicada em 02/08/2016 às 14:50

Cerca de 150 colaboradores, médicos e convidados participaram da abertura da Semana Mundial da Amamentação (SMAM) no Hospital Universitário (HU), na manhã de segunda-feira (1º). A programação incluiu palestra com a socióloga Rosana de Divitiis, que é coordenadora do IBFAN Brasil (Rede Internacional em Defesa do Direito de Amamentar). Também participaram da solenidade membros da Fundação Dr. Jaime Rodrigues, entre eles o superintendente Itibagi Rocha Machado e o diretor-executivo Flávio José da Silva; o diretor da Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ), Edmir Américo Lourenço, e a vice-diretora, Célia Martins Campanaro; e o diretor administrativo do Hospital Universitário, Asimar Cardoso.

A abertura foi conduzida pela coordenadora do Banco de Leite Humano de Jundiaí, Maristela De Marchi Benassi, que falou sobre “Aleitamento Materno: Presente Saudável, Futuro Sustentável”. O tema concentra objetivos traçados por governos ao redor do mundo a serem cumpridos até 2030. “A Semana Mundial da Amamentação 2016 marca um novo começo para trabalharmos juntos e mostrar que podemos alcançar o desenvolvimento sustentável através da promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno”, definiu Maristela.

Na sequência, Flávio José da Silva falou sobre a Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC), idealizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em conjunto com o Fundo das Nações Unidas (Unicef). O HU integra o grupo de hospitais que promovem a adoção de práticas facilitadoras da amamentação.

Conscientização – De acordo com Rosana de Divittis, o ato de amamentar não deve ser imposto às mulheres. “É importante que a opção de amamentar o bebê parta da mãe, por isso, é fundamental que os profissionais de saúde possam instruir, dar uma boa orientação e assistência. A mãe vai colocar tudo na balança e com informações conseguirá tomar a melhor decisão. A amamentação tem que ser prazerosa”, ressaltou.

Dados do IBFAN indicam que, atualmente, as mães amamentam exclusivamente seus bebês com leite materno pelo período de 53 dias, quando o ideal são 180 dias. Por esta razão, o trabalho de conscientização e incentivo à amamentação é importante.

Segundos informações da Organização das Nações Unidas (ONU), nascem 77 milhões de bebês ao ano em todo o mundo. Do ponto de vista econômico, se uma mãe faz a opção de não amamentar com o leite materno, uma família brasileira gasta ao mês R$ 96,80 com leite fluído (caixinha) ou R$ 308,00 com leite em fórmula (em pó). No período de seis meses, são R$ 580,80 e R$ 1.848,00 respectivamente, o que é uma importância significante, especialmente para famílias que sobrevivem com um salário mínimo.

Outro dado importante, acrescentou Rosana, é que os bebês não amamentados adoecem cerca de 68 vezes mais que aqueles que são amamentados, o que implica num risco maior de morte. “As mães que não amamentam têm um risco maior de perder o emprego, uma vez que o adoecimento frequente do bebê exige que ela falte mais ao trabalho, comprometendo seu desempenho.”

As crianças amamentadas durante os primeiros seis meses de vida, possuem uma melhor capacidade de aprendizado na idade escolar. Consequentemente, terão as melhores oportunidades de cargos e salários quando se tornarem adultos. Segundo Rosana, pesquisas indicam que pessoas que não foram amamentadas na infância têm menores escores em testes de QI e que, se todas as mães optarem por não amamentar, teremos comprometimento no avanço de inovação e tecnologia a longo prazo.

De acordo com Rosana, é importante que as empresas públicas e privadas estimulem suas funcionárias a amamentar. “Este incentivo aumenta a participação das mulheres na empresa e conquista sua fidelização, reduzindo o turnover”, justifica.

E para finalizar, além de todas as justificativas já citadas, Rosana enfatiza o vínculo afetivo que a amamentação gera na relação mãe e filho. “A amamentação ensina o bebê a negociar pacificamente e com afeto cada mamada” diz. “Oferece apoio emocional, dá mais segurança e mais saúde”, complementa.

Programação – Ainda na segunda-feira, foi realizado um bate-papo entre mães doadoras e receptoras de leite materno. Nesta terça-feira (2), as crianças assistidas pelas equipe de pediatria do HU participaram da “Hora do Conto”, na brinquedoteca do hospital.

A programação prossegue nesta quarta-feira (3), a partir das 14 horas, com o bingo destinado às mães da maternidade. O encerramento será na quinta-feira (4).

Assessoria de Imprensa do HU

 



Link original: https://saladeimprensa.jundiai.sp.gov.br/2016/08/02/hospital-universitario-promove-semana-de-aleitamento-materno-2/

Galeria de imagens desta notícia

Clique na imagem para fazer o download do arquivo na resolução original



Sala de Imprensa | Desenvolvido por CIJUN
www.jundiai.sp.gov.br