Jundiaí analisa ação local de propostas globais para biodiversidade

Publicada em 05/05/2016 às 05:22
Cleber de AlmeidaTeleconferência reuniu técnicos da Prefeitura e da DAE

Teleconferência reuniu técnicos da Prefeitura e da DAE

Uma equipe de técnicos da Prefeitura de Jundiaí e da DAE participou, nesta quinta-feira (5), de uma videoconferência estadual sobre meios dos municípios ajudarem no combate mundial à extinção de espécies, habitats e ecossistemas.

A iniciativa foi da diretoria ambiental da Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente e o evento contou com palestrantes do ICLEI (Local Governments for Sustainability), rede que abrange mais de mil cidades de todo o planeta.

Dentro do âmbito do Programa Município Verde e Azul, o evento dialogou também com o trabalho do Plano Diretor Participativo e de alguns de seus subprogramas, como o plano municipal de mata atlântica e cerrado.

O evento analisou o contexto das chamadas metas de Aichi (2011-2020), que abrigou a conferência mundial das Nações Unidas na cidade de Nagoya, no Japão.

Esse acordo internacional faz parte da Convenção da Diversidade Biológica, um dos documentos surgidos na Conferência Mundial para o Desenvolvimento e Meio Ambiente (Rio-92) que voltou-se para a conservação dos ecossistemas do mundo com seus animais, plantas, microorganismos e elementos não-vivos integrantes do sistema vital. Também apontou para o uso sustentável e para a repartição justa de benefícios desse uso, formando os três eixos da convenção (nascida em conjunto com a Convenção do Clima (que gerou o recente Acordo de Paris), a Agenda 21 e a Convenção da Desertificação). Passados 25 anos do histórico encontro no Rio de Janeiro, o trabalho segue em meio a uma das maiores taxas de extinção de espécies e destruição de habitats de todos os tempos. Mas, além dos acordos entre países, a ação local pode fazer grande diferença.

“As cidades já concentram a maior parte da população mundial e podem fazer muita diferença, como mostrou o evento, na adoção de medidas que reduzam o consumo de energia, o uso de matéria prima não sustentável, a geração de resíduos ou a destruição dos habitats. Também ao evitar a impermeabilização do solo e cuidar do ambiente urbano, estimulando a mobilidade não-poluente e a qualidade do convívio humano”, afirma a secretária Daniela da Camara Sutti, do Planejamento e Meio Ambiente.

Ação pioneira – Com grande parte das metas ao alcance de iniciativas locais, Jundiaí trata desses objetivos como parte do Plano Diretor Participativo (que equilibra inclusão social, conservação ambiental e desenvolvimento econômico) em aspectos como o levantamento de 928 fragmentos urbanos de mata atlântica e cerrado, de 1.400 nascentes de água e de fortalecimento da zona rural e da qualidade dos bairros, que estimula a mobilidade não-motorizada e um cotidiano de baixo carbono.

O processo também vai gerar subprodutos, como a organização do plano municipal de mata atlântica e cerrado, do futuro programa de remuneração de serviços ambientais e outros.

“Uma videoconferência desse tipo estimula nossa equipe no aprimoramento da agenda municipal estratégica e é muito oportuna porque há uma força tarefa intersecretarial desenvolvendo o plano municipal da Mata Atlântica e Cerrado. Dessa maneira, Jundiaí se coloca novamente à frente na questão ambiental e alinha as metas de Aichi, da COP 10 a essas proposições voltadas à redução da perda da biodiversidade no mundo”, afirma o diretor Marcelo Pilon.

Veja também: https://www.youtube.com/watch?v=YZnRrQCz7vA

Conheça as metas globais – As vinte metas de Aichi incluem muitos objetivos a serem abordados pelas cidades. Para tratar das causas da perda da biodiversidade, as metas até 2020 são (1) as pessoas terem conhecimento dos valores dessa diversidade da vida e meios sustentáveis de uso e conservação; (2) esses valores serão integrados nas estratégias locais e nacionais de desenvolvimento, redução de pobreza e planejamento; (3) eliminar ou reformar incentivos econômicos lesivos à biodiversidade e seu uso adequado e (4) planos governamentais e privados de produção e consumo sustentáveis.

Para reduzir as pressões diretas sobre os ecossistemas naturais as metas até 2020 são (5) reduzir a taxa de perda e fragmentação de todos os habitats naturais, se possível a zero; (6) implementar meios de controle de pesca; (7) manejo e conservação da biodiversidade nas áreas de agricultura, aquicultura e exploração florestal; (8) reduzir a limites seguros a poluição, inclusive de excesso de nutrientes; (9) identificar e erradicar as espécies exóticas invasoras e seus vetores e (10) minimizar pressões humanas sobre recifes de coral e outros ecossistemas atingidos pela mudança de clima.

Para melhorar a proteção de ecossistemas, espécies e diversidade genética as metas até 2020 são (11) proteger pelo menos 17% de áreas terrestres e águas continentais e 10% das áreas marinhas e costeiras; (12) evitar a extinção de espécies ameaçadas conhecidas e 13) combater a erosão genética de plantas cultivadas e de animais criados e domesticados.

Para aumentar os benefícios dos serviços ecossistêmicos, as metas até 2020 são (14) preservar ecossistemas provedores de serviços como relativos à água ou que contribuam para saúde, meios de vida e bem-estar; (15) aumentar a resiliência de ecossistemas e sua contribuição para estoque de carbono; (16) operacionalizar o protocolo de Nagoya sobre acesso a recursos genéticos e a repartição justa e equitativa dos benefícios.

Para implementar o planejamento participativo, gestão de conhecimento e capacitação, as metas até 2020 são (17) estabelecer uma estratégia nacional como elaborada no ano passado pelo Brasil; (18) respeitar e valorizar os conhecimentos, inovações e práticas dos povos indígenas ou comunidades tradicionais; (19) melhorar e compartilhar conhecimento e tecnologias ligadas à biodiversidade e seus valores e atitudes preventivas e (20) mobilizar recursos financeiros para a implementação do plano estratégico global, nacional e local.

Saiba mais: :

http://planodiretor.jundiai.sp.gov.br/2016/04/plano-diretor-participativo-compartilha-versao-final-de-projeto-de-lei/

http://www.jundiai.sp.gov.br/noticias/2016/04/06/jundiai-fica-entre-os-top-15-do-municipio-verde-e-azul/

http://www.jundiai.sp.gov.br/noticias/2016/04/25/jundiai-e-destaque-em-congresso-nacional-de-educacao-ambiental/


Por José Arnaldo de Oliveira

Link original: https://saladeimprensa.jundiai.sp.gov.br/2016/05/05/jundiai-analisa-acao-local-de-propostas-globais-para-biodiversidade/


Sala de Imprensa | Desenvolvido por CIJUN
www.jundiai.sp.gov.br