Programa São Paulo Amigo do Idoso faz oficinas de diagnóstico

Publicada em 12/04/2016 às 05:41
Dorival Pinheiro FilhoTerceira rodada da oficina reuniu representantes do poder público e sociedade civil

Terceira rodada da oficina reuniu representantes do poder público e sociedade civil

A terceira rodada da oficina “Ideia Gestor – Instrumento de Diagnóstico do Envelhecimento Ativo”, do Programa São Paulo Amigo do Idoso, foi nesta terça-feira (12), na sede do do Fundo Social de Solidariedade (Funss). A atividade, coordenada pela Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social (Semads) com o apoio do Conselho Municipal do Idoso, tem como objetivo traçar o diagnóstico ativo do envelhecimento na cidade.

Participaram da oficina representantes do poder público e sociedade civil, que responderam questões ligadas ao idoso a partir de quatro eixos estabelecidos pelo programa: proteção, educação, saúde e participação. A próxima fase vai ouvir os idosos. O levantamento vai ser enviado para a Diretoria Regional de Assistência e Desenvolvimento Social (Drads).

As oficinas compreendem a segunda etapa do programa, que tem como desfecho a conquista do Selo Pleno do Programa São Paulo Amigo do Idoso, e que habilita o município a receber recursos do Fundo Estadual do Idoso.

Segundo a coordenadora do Centro de Referência do Idoso de Jundiaí (Criju) e interlocutora do programa no município, Eliana Dirce Mauro, a cidade caminha para a conquista do selo pleno. “Jundiaí tem várias ações voltadas para o idoso e, com isso, já sai na frente. Ao aderir ao programa, o

município mostra que está pensando na população idosa, que está crescendo.”O vice-presidente do Conselho Municipal do Idoso, o guarda municipal Denis Fernando Berni, destaca a importância do diagnóstico. “Toda informação é útil para desenvolver políticas de proteção do idoso em áreas como assistência social, saúde, educação. Jundiaí já tem uma boa rede de auxílio, mas tem potencial para melhorar ainda mais.”

Sobre o programa – O Programa São Paulo Amigo do Idosos reúne ações de inclusão social, desenvolvimento, atenção à saúde, educação e lazer. São 11 Secretarias de Estado envolvidas, sob a coordenação da Secretaria de Desenvolvimento Social. 637 municípios assinaram o Termo de Adesão ao programa, comprometendo-se a realizar as ações previstas.

Para incentivar os municípios a se associarem ao Estado no trabalho de promoção da qualidade de vida da terceira idade, foi criado o Selo Município Amigo do Idoso. Para terem direito a ele, os prefeitos devem cumprir quatro etapas que começam com a adesão ao Programa até chegar ao Selo Pleno. Na sequência, as cidades devem criar o Conselho Municipal do Idoso, cujo papel é fiscalizador.

As prefeituras também devem comprometer-se a traçar plano de metas, fazer o diagnóstico das políticas já existentes e incluir ações nos Planos Municipais de Saúde e Assistência Social, por exemplo.

Depois, os municípios têm de apresentar avaliação e diagnóstico dos benefícios implantados previstos no programa. Aqueles que se comprometerem com os critérios para a aquisição do Selo Pleno recebem recursos do Fundo Estadual do Idoso. O Programa São Paulo Amigo do Idoso também prevê o repasse de recursos para construção de dois importantes equipamentos da área de assistência social: Centro Novo Dia e Centro Conviver.


Por Viviane Rodrigues

Link original: https://saladeimprensa.jundiai.sp.gov.br/2016/04/12/programa-sao-paulo-amigo-do-idoso-faz-oficinas-de-diagnostico/


Sala de Imprensa | Desenvolvido por CIJUN
www.jundiai.sp.gov.br