Jundiaí é “case” em evento de assistência técnica habitacional

Publicada em 02/04/2016 às 11:49
Dorival Pinheiro FilhoA experiência da Fumas foi somada aos estudos do ciclo de eventos

A experiência da Fumas foi somada aos estudos do ciclo de eventos

Um ciclo voltado para o tema da habitação social teve, nesta sexta-feira (1), a participação da Prefeitura de Jundiaí entre as experiências locais apresentadas como parte do debate voltado para profissionais e estudantes do setor no evento de Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social (ATHIS).

O foco, nesse caso, foi a experiência da Fundação Municipal de Ação Social (Fumas) com o banco de projetos sociais. Mas a autarquia exerce também funções de uma Secretaria de Habitação e tem recebido novos instrumentos na gestão do prefeito Pedro Bigardi, tendo concluído o Plano de Habitação Local de Interesse Social e atuando nos debates de construção do novo Plano Diretor Participativo, no qual o debate buscou o equilíbrio com a conservação ambiental e a proteção social dos bairros.

“Esse tipo de assistência foi a origem da Fumas na década de 1970, sob a inspiração do padre de origem canadense Paulo André Labrousse e depois transformada em autarquia. Mas até hoje ainda é voltado apenas para construções regulares, com apoio técnico e isenção de taxas que chegavam até a faixa de dez salários mínimos. Agora definiu o teto de seis salários mínimos”, afirma a diretora Tatiana Reis Pimenta.

Patrocinado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) e pela Caixa e organizado pelo Sindicato dos Arquitetos do Estado e pela Peabiru Trabalhos Comunitários e Ambientais e pelo Sindicato dos Arquitetos do Estado de São Paulo, o ciclo teve antes de Campinas os eventos em Ribeirão Preto, Santos, São José dos Campos e Bauru. Em maio, será encerrado em São Paulo ,com a formação de um banco de dados.

De acordo com Tatiana Reis Pimenta, em Jundiaí estão sendo discutidos acordos técnicos com o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) e com a Associação dos Engenheiros de Jundiaí (AEJ), mas ainda faltam detalhes como a tabela comum de honorários.

O processo da assistência técnica para a qualidade das habitações populares é parte das políticas habitacionais que na cidade também envolvem avanços recentes, como a construção de 1,6 mil unidades no Jardim Novo Horizonte, Jardim São Camilo e Vila Ana, a regularização fundiária de 1,5 mil famílias, a manutenção do auxílio-aluguel para 300 famílias e a definição de áreas futuras (ZEIS 2 e usos mistos) buscando combater a periferização de moradores de baixa renda.

O conceito de habitação social abrange a maior parte da população com critérios de renda familiar até três salários mínimos (R$ 2.640 por mês ou R$ 10.560 por ano) e também acima de três até seis salários mínimos (R$ 5.280 por mês ou R$ 63.360 por ano).

Os objetivos do ciclo ATHIS são o fomento ao debate sobre as diversas dimensões das necessidades habitacionais, a participação de profissionais de arquitetura, engenharia e áreas sociais e do direito nos processos de produção (programas públicos ou autoconstrução), a formulação de arranjos institucionais de assistência técnica e estimular a formação profissional nesse tema. Como pano de fundo, a cidadania como direito e acesso à cidade.

“Temos uma nova política nacional nesse tema desde 2008, mas a maioria dos municípios ainda não se adequou. Por isso é importante o debate”, afirma a consultora Eleusina Freitas.

Veja também:

http://fumas.jundiai.sp.gov.br/programas-sociais/planta-de-interesse-social/

http://fumas.jundiai.sp.gov.br/

http://www.athis.org.br/

http://planodiretor.jundiai.sp.gov.br/

Dorival Pinheiro FilhoMesa de estudos de casos teve Jundiaí, Limeira, Sumaré e Defensoria Pública

Mesa de estudos de casos teve Jundiaí, Limeira, Sumaré e Defensoria Pública


Por José Arnaldo de Oliveira

Link original: https://saladeimprensa.jundiai.sp.gov.br/2016/04/02/jundiai-e-case-em-evento-de-assistencia-tecnica-habitacional/


Sala de Imprensa | Desenvolvido por CIJUN
www.jundiai.sp.gov.br