Jundiaí abre censo de saúde bucal em parceria com Unicamp

Publicada em 12/02/2014 às 05:13
Alessandro RosmanPrefeito saúda profissionais: critérios técnicos melhoram setor

Prefeito saúda profissionais: critérios técnicos melhoram setor

Com uma aula inaugural para 160 profissionais nesta quarta-feira (12), a Prefeitura de Jundiaí iniciou os trabalhos práticos do censo de saúde bucal que está sendo implementado neste ano, em parceria com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O prefeito Pedro Bigardi esteve presente ao evento, que envolve equipes das respectivas unidades da Secretaria Municipal de Saúde e da Faculdade de Odontologia de Piracicaba. “Passei para saudar o trabalho de todos, dizendo que já tínhamos tomado conhecimento da iniciativa pelo bom planejamento estratégico do setor de saúde. Estaremos agora reunindo o secretariado para a sintonia fina das ações com o orçamento e iniciando o sistema de monitoramento de gestão”, explicou o prefeito.

A maior novidade do censo, além de atualizar dados depois de 8 anos inativos, é a inserção de variáveis socioeconômicas e psicossociais no cenário da saúde bucal, dentro de um ponto de vista epidemiológico e não apenas clínico. Esse é motivo das aulas, trazidas pela área de suporte científico.

O cronograma prevê o início do levantamento de amostragem estatística por faixas de idade e bairros da cidade em 24 de abril e a análise dos dados em 4 de setembro, com relatório final ainda neste ano, com diversas novas aulas ao longo do processo.

“Esse trabalho vai reorientar de fato a política de saúde bucal que está sendo revista e ampliada. Na nossa área temos um corpo de profissionais muito comprometido com as políticas públicas”, explica o secretário de Saúde, Cláudio Miranda.

Números – Uma das referências da série histórica levada em conta no trabalho é a presença de cáries, perdas ou obturações (CPOD) aos 12 anos de idade, que era de 2,65 para cada 10 pessoas em 1975 e baixou para 1,69 em 2004. Ao mesmo tempo, a presença de próteses em moradores idosos ainda estava no patamar de 71,5%.

De acordo com a Coordenação de Saúde Bucal, da Secretaria Municipal de Saúde, os atendimentos em 2013 aumentaram 50% apenas com mudanças de gestão da estrutura atual e a implementação inicial de novos serviços para próteses. Ainda na Secretaria, a Vigilância Epidemiológica monitora os níveis de flúor e cloro do abastecimento de água em complemento ao serviço da empresa municipal DAE.

“Esse trabalho vai buscar as causas sociais e até psicológicas de diferenças de saúde bucal entre grupos e regiões da cidade”, diz Evely Sartoti da Silva, dentista da equipe que também desenvolve mestrado em saúde pública. A coordenação do setor conta com José Clóvis Tomazzoni, Maurício Ciampaglia e Luiz Carlos Miyashiro.

As pesquisadoras Débora Dias, Marília Batista, Karina Ruiz e Marcela Barbosa participam das aulas de capacitação e orientação do censo pela faculdade de Odontologia da Unicamp.

A amostragem, com critérios estatísticos e sociais, vai ser feita de abril a julho com 290 pessoas da faixa de 5 anos de idade, 294 pessoas da faixa de 12 anos, 298 pessoas da faixa de 15 a 29 anos, 300 pessoas na faixa de 35 a 44 anos e 71 pessoas idosas. Além do diagnóstico, todas serão encaminhadas para tratamento quando necessário.

Cleber de AlmeidaA pesquisadora Marília fala sobre métodos do trabalho

A pesquisadora Marília fala sobre métodos do trabalho


Por José Arnaldo de Oliveira

Link original: https://saladeimprensa.jundiai.sp.gov.br/2014/02/12/jundiai-abre-censo-de-saude-bucal-em-parceria-com-unicamp/


Sala de Imprensa | Desenvolvido por CIJUN
www.jundiai.sp.gov.br