Prestação de contas da saúde ganha foco regional

Publicada em 23/08/2013 às 06:13
DivulgaçãoCláudio Miranda e o presidente da Comissão de Saúde, Antonio Pacheco

Cláudio Miranda e o presidente da Comissão de Saúde, Antonio Pacheco

A audiência pública das contas quadrimestrais da Secretaria Municipal de Saúde de janeiro a abril deste ano, realizada nesta sexta-feira (23), no plenário da Câmara de Jundiaí, teve uma forte presença da questão regional nos debates de participantes e vereadores. Outros pontos em destaque foram a estrutura e a judicialização do setor.

De acordo com o diretor financeiro da pasta, Marino Mazzei Júnior, o valor empenhado entre janeiro e abril chegou a R$ 188 milhões ou 47% do total orçamentário previsto para a secretaria em 2013. Mas o valor efetivamente gasto até o final deste período foi de R$ 99 milhões, com o restante em tramitação.

“Uma das novidades que conseguimos implantar foi o sistema de controle de custos por unidade. Dessa forma, temos agora o fluxo de cada unidade de saúde, ambulatório, hospital ou serviço de apoio”, afirmou Marino, sobre o que considera um aumento de eficiência para o sistema.

Usando esses dados, mostrou que até junho as demandas judiciais chegaram a R$ 5,2 milhões e tendem a dobrar esse número até o fim do ano.

Para o secretário Cláudio Miranda, da Saúde, esse problema é crescente no País. “O ex-secretário estadual Giovanni Cerri nos disse que vão ser pelo menos R$ 850 milhões neste ano por lá. A nossa resposta é criar um grupo multidisciplinar para buscar soluções como assessorar a Justiça e fazer licitações para baratear aqueles medicamentos, cirurgias ou internações mais demandados”, explicou.

Perguntas – Depois de responder a questões como a falta de profissionais (com concursos com prova no fim de semana e contratações em andamento) e o ajuste de convênio com o Hospital São Vicente (que tinha valores subestimados e exigiu um empréstimo-ponte para o custeio nos dias antes de nova prorrogação), o secretário passou a responder assuntos regionais suscitados pela procura regional nas consultas de especialistas e nos procedimentos de emergência do pronto socorro.

“Já trabalhei no Núcleo Integrado de Saúde (NIS) e sei o tamanho da demanda regional que pressiona o sistema em Jundiaí”, afirmou o vereador Antonio de Pádua Pacheco, que preside a Comissão de Saúde da Câmara.

O assunto rendeu informações sobre o debate regional de saúde que está em andamento na Aglomeração Urbana de Jundiaí (AUJ). Para o secretário Cláudio Miranda, foi também a oportunidade de esclarecer sobre outras medidas como o início esperado das obras da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Novo Horizonte e também das providências de busca de imóvel para a abertura do Pronto Atendimento (PA 24 Horas) do Retiro, entre outros pontos como a futura informatização de toda a rede para reduzir a espera de agendamentos em um sistema com mais de 140 mil atendimentos por mês.

Sobre a realização dos exames laboratoriais fora da cidade, questionada pelo vereador Gustavo Martinelli, o secretário afirmou que o contrato já foi herdado de governo anterior. “O serviço da AFIP é de boa qualidade. Mas como eles apenas coletam nas unidades de saúde, estamos conversando para tentar incluir pelo menos um chá ou bolacha para atender quem chega de jejum”, explicou Cláudio.

DivulgaçãoO plenário durante o evento: prestação de contas atrai poucos mas gera debate

O plenário durante o evento: prestação de contas atrai poucos mas gera debate


Por José Arnaldo de Oliveira

Link original: https://saladeimprensa.jundiai.sp.gov.br/2013/08/23/prestacao-de-contas-da-saude-ganha-foco-regional/


Sala de Imprensa | Desenvolvido por CIJUN
www.jundiai.sp.gov.br