Dengue – Zoonoses inicia avaliação do Índice de Breteau

Publicada em 02/02/2011 às 04:12
fotógrafos da prefeituraAs ações de combate à dengue em Jundiaí são permanentes

As ações de combate à dengue em Jundiaí são permanentes

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) iniciou, nesta terça-feira (01), mais uma avaliação do Índice de Breteau (IB). A ação, desenvolvida duas vezes ao ano, mede a densidade larvária no município para o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, e vai nortear os trabalhos que serão desenvolvidos pelo CCZ nos próximos meses.

De acordo com o gerente do CCZ, Carlos Ozahata, os trabalhos devem durar cinco dias e consistem na visitação a imóveis, verificação e eliminação de recipientes com água e larvas de mosquito. O último IB foi realizado em setembro de 2010 e apontou um resultado menor que 0,5. O recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de até 1%, pois acima deste percentual é o suficiente para se ter casos de dengue.

“Tivemos um índice favorável, porém encontramos criadouros para o mosquito. É preciso manter os cuidados e evitar a água parada”, disse. Na época foram visitados 4.251 imóveis, sendo que em 846 deles foram encontrados criadouros de mosquito. Uma das amostras foi positiva para o Aedes aegypti.

Ozahata explicou que os principais criadouros são encontrados em imóveis residenciais. Os principais focos apontados foram os pratos de vasos de plantas e os próprios vasos com água. “Mas, qualquer recipiente com água pode ser um criadouro”, disse Ozahata. A orientação do CCZ é para que a população combata os criadouros, a fim de evitar que um problema nacional atinja grandes proporções em Jundiaí.

O número de focos está abaixo da média registrada em 2010, mas para manter a situação sob controle é necessário eliminar os possíveis criadouros do mosquito, que têm tendência a aumentar neste período de chuvas intensas. “Agora estamos num momento de reforçar a atenção. As pessoas precisam eliminar os criadouros do mosquito”, ressaltou Ozahata.

O Centro de Controle de Zoonoses mantém um trabalho permanente de combate à dengue, que recebeu reforço em novembro do ano passado, quando a Prefeitura realizou o Dia Municipal de Mobilização Social para o Controle da Dengue. “As ações de reforço começaram naquele dia, mas as nossas equipes continuam na rua, trabalhando inclusive aos sábados e domingos com vistorias”.

Além disso, a Prefeitura também está com campanhas em rádios, jornais e emissoras de televisão, a fim conscientizar a população, que deve ser a grande parceira nas ações de combate ao mosquito. “Se não houver o envolvimento de todos, os resultados não serão satisfatórios”, disse Ozahata.

Eliminando criadouros

A regra básica para prevenir a dengue é não deixar a água, mesmo que limpa, parada em qualquer tipo de recipiente. Neste período de chuvas as pessoas devem ficar atentas, observando calhas, lajes e caixas d’água dos imóveis que devem estar sempre fechadas. É importante evitar também água parada nas lajes e remover folhas e galhos que impeçam a água de correr.

Não deve haver água parada também em locais como: vidros, potes, garrafas, pneus, folhas de plantas, bacias, pratos e vasos de plantas ou flores. O ovo do mosquito pode sobreviver por até 450 dias, mesmo se o local onde foi depositado estiver seco. Quando esta área receber água novamente, o ovo ficará ativo e pode atingir a fase adulta dentro de dois a três dias. Por isso é importante eliminar a água e lavar os recipientes que ficaram expostos com água e sabão.


Por Assessoria de Imprensa

Link original: https://saladeimprensa.jundiai.sp.gov.br/2011/02/02/dengue-zoonoses-inicia-avaliacao-do-indice-de-breteau/


Sala de Imprensa | Desenvolvido por CIJUN
www.jundiai.sp.gov.br